Páginas

terça-feira, 29 de março de 2011

Não precisará mais me decifrar, baby


Eu sei fingir, perfeitamente bem, sei esconder lágrimas com sorrisos e tudo o mais. Mas você pode ter certeza de que dessa vez eu não irei fazer isso, não mesmo. Porque eu aprendi a ser e, também, sei ser muito bem. Hoje prefiro ser do que parecer, então vou ser bem transparente e clara, mostrando tudo o que eu sinto por dentro, seja tristeza, felicidade, dor ou alegria. Tudo que eu sentir, agora, vai ficar bem abaixo dos teus olhos, para que a minha falsidade (ou medo da verdade) não mais te cegue, e faça com que você consiga enxergar o mal que me faz com certas atitudes. Então, de agora em diante, você poderá enxergar todas as sensações que você me faz ter com os teus atos. Para que depois não venha me dizer que eu nunca demonstro os meus sentimentos. Já que você não consegue enxergar o que eu sinto, então eu irei tentar te mostrar, porque você não espera que eu o faça sentir o mesmo para perceber o quanto é ruim, não é?


sexta-feira, 18 de março de 2011

Eu e o momento de agora...

Já passou, faz muito tempo, aquela vontade (ou obrigação) de ser melhor pra alguém ou, até mesmo, de ter alguém. Não preciso mais disso. Não no momento. Sou feliz assim, gosto de mim e peço pra que nada mude isso, agora. Tenho as pessoas de que preciso, de que me gostam e me fazem gostar. Não ando me arrependendo de nada, pelo contrario, me orgulhando de tudo. Tudo que um dia me fez mal, passou. Todas as lágrimas que chorei, secaram. Tudo que me atrasou, fugiu. A única coisa que permanece aqui, intacta, sou eu. Eu, com a minha força de enfrentar o mundo, as coisas e as pessoas. E tudo aquilo que ontem me tocou negativamente ou atrapalhou-me, de qualquer umas das formas, hoje eu perdoo, porém não esqueço.

segunda-feira, 14 de março de 2011

Os dias


É eu poderia ficar aqui, sentada, escrevendo mil coisas sobre mim, sobre algo ou sobre alguém. É, sim, eu poderia ficar aqui hoje, o dia inteiro, amanhã também, e depois, e depois, e depois... Mas o problema (ou a solução) é que aa vida lá fora me chama e eu preciso ir. Viver e sentir, faz parte dos meus planos, e é por isso que eu necessito tanto de ar, tanto de paz e tanto de mim. É pela vida que eu estou aqui, e é por ela que eu vou continuar. É dela que eu falo... vida ... é acordar pela manhã e ver que o sol brilha e que é um novo dia, e ver também que eu sei que o dia não vai ser como eu esperei e que também não vai ser como eu planejei na noite anterior, antes de dormir. Não, esse dia que nasceu será um novo dia totalmente diferente de qualquer dia, de qualquer plano. Mas o importante é o fato de este dia ser novo e imprevisivel e que nele tudo pode acontecer, assim como amanhã, e depois, e depois, e depois ... vida ...é disso que eu falo, é dos pequenos detalhes do dias, que são sempre diferentes, mesmo quando a nossa rotina é a mesma. A gente pode acordar sempre no mesmo horario, ir ao mesmo lugar e ver as mesmas pessoas, todos os dias, mas as nuvens não estarão sempre no mesmo formato, nem os grãos de areia no mesmo lugar e o sol irá brilhar de forma diferente a cada novo dia, pois isso é a vida, e ela nos proporciona umdia novinho em folha sempre, um dia diferente do anterior. Por isso, não são os dias que são sempre iguais quando a gente não sai da rotina, mas sim a forma como a gente vive a nossa própria vida que acaba sendo igual todos os dias ... vida ...
Pois é, hoje eu tenho o dia todo e poderia ficar aqui, sentada, escrevendo mil coisas sobre mim, ou sobre algo, ou sobre alguém. É, sim, eu poderia ficar aqui hoje, o dia inteiro, amanhã também, e depois, e depois, e depois... Mas o problema (ou solução) é que a vida lá fora me chama e eu preciso ir...
Tem um novo dia lá fora a me esperar ...

domingo, 6 de março de 2011


Prefiro morrer tendo feito muitas coisas a mais do que eu podia, do que morrer arrependida de não ter feito tudo o que eu queria.