Páginas

quinta-feira, 13 de dezembro de 2012

O peso da minha dor




Peço ajuda à alguém que seja forte. Minha dor é muito pesada. Não tenho certeza de que consigo carrega-lá sozinha...
A maioria das pessoas pensa que é drama falar de tristeza, mas não é. Quando a gente tem muita dor por dentro, a gente tenta pôr pra fora, a gente tenta esvaziar a alma das coisas negativas. Dessa vez, a minha dor é diferente, não estou cheia de dor, não é preciso esvaziar a dor que tenho em mim; a dor dessa vez está pesada, e preciso carregar ela comigo pra onde quer que eu vá. Tá bem difícil de carregar algo tão pesado, e é por isso que eu preciso muito de alguém que seja forte o bastante, alguém que possa me dar algum apoio. Conheço muitas pessoas fortes, mas nunca vi, nessa vida toda, alguém chegar na rua, ver a dor nos olhos do próximo e perguntar: "tá muito difícil de carregar? Precisa de ajuda?". Já vi pessoas fazendo isso com alguém que está carregando sacolas pesadas, com alguma vovó que está na rua carregando até mesmo algo nem tão pesado assim, com pessoas que estão levando embrulhos de presentes... Mas nunca com a dor. Talvez porque a dor é individual, cada um carrega a sua, cada uma com o peso que merece, ou que nem merece muitas vezes. A dor é como um sorteio, onde todos nós participamos, cada um pega o seu número já quando nasce, uns pegam dores pequeninhas, leves... e esses são os sortudos. Há aqueles que pegam as dores mais pesadas, duras, difíceis de se carregar. E a dor é assim, ela não escolhe ser maior para os mais pecadores, ou menor pra'queles que são mais corretos, ela vêm assim, em dimensões aleatórias. Alguns suportam, outros não. Talvez seja um teste. Vocês sabem, testes como aqueles que a gente vê na tv, no BBB, de quem aguenta mais tempo segurando a dor, de quem é mais inteligente pra driblar ela, de quem tem mais calma e paciência pra enfrentar a dor calado, daqueles que trapaceiam e atiram a dor para o próximo... É, pode ser um desses testes, não sei, só sei que tá difícil, nunca fui boa em testes, sempre fico nervosa, tremo, suo frio, quente... É, também sou assim com a dor. No meu caso, a dor é uma prova de resistência, tô quase desistindo. Mas não, ainda não desisti. No momento, como já disse, estou procurando alguém forte, que me ajude a carregar a minha dor. Procurei nas ruas, nos supermercados, nas farmácias  nas academias, nos parques e em todos os lugares que fui. Meus olhos corriam, procurando pessoas fortes. Inteligentemente fortes, fisicamente fortes, emocionalmente fortes, pra mim não importava, contanto que fossem fortes, muito fortes, em qualquer ponto... Faz alguns dias, não sei se sonhei ou me disseram, mas lembro de ter ouvido alguém falar em Deus, que Deus estava vendo a minha procura, e que ele não iria, de forma alguma me presentear com alguém forte. Me falaram que ninguém carrega a dor por ninguém, que o único que pode enxergar a dimensão dela é Deus, e que o único que pode acabar com ela é a gente mesmo. Me disseram que a gente não precisa de ninguém forte, que a gente só precisa de uma fé forte, de um coração forte e de um sorriso forte. Me disseram que todos nós temos essas três coisas. Eu não sei, fiquei em duvida, nem tinha certeza se alguém me disse mesmo ou se eu só sonhei. Mas tentei usar, fortifiquei a minha fé naquilo que eu acredito, ouvi o som do meu coração batendo, e o ritmo tava forte, coloquei no meu rosto o melhor sorriso que consegui. Deu certo. Me olhei no espelho e a dor tava levezinha, tão leve quanto uma pena. Ou não. Não era a dor que estava leve, era eu mesma... que estava FORTE!